Um pesquisador da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Cleonilson Protásio, criou uma “árvore inteligente” que é capaz de detectar incêndios florestais, por meio da medição de temperatura e da concentração do monóxido de carbono. O teste já foi feito no Centro de Tecnologia da UFPB e está sendo reproduzido nos Estados Unidos.

O pesquisador faz parte do Laboratório de Microengenharia da UFPB e o resultado do trabalho faz parte dos seus recentes estudos de pós-doutoramento na University of Washington Tacoma, nos Estados Unidos.

A chamada “Smart Tree” consiste no desenvolvimento de um nó sensor alimentado pelo tronco de árvores, por meio de energia térmica, a fim de monitorar variáveis físicas florestais, com o intuito de prever incêndios florestais. Segundo Protásio, o equipamento não usa baterias e, por isso, é ambientalmente seguro.

O professor explica que o sistema funciona como uma rede de árvores, passando o sinal de uma para outra, até chegar em uma central. Nesse local, o sinal pode ser emitido para qualquer lugar do mundo, inclusive o Corpo de Bombeiros.

A equipe coordenada pelo professor revela que também já é possível converter o gradiente térmico (diferença de temperatura interna e externa) do tronco de árvores em energia elétrica e, assim, poder alimentar os circuitos eletrônicos da Smart Tree.

Protásio conta que esta linha de pesquisa é denominada de Colheita de Energia e o Centro de Energia Alternativas e Renováveis (CEAR) da UFPB, do qual o laboratório faz parte, tem grande atuação nela. “Já foram desenvolvidos alguns sensores para medição do gradiente térmico de algumas árvores. É possível gerar energia elétrica até no período noturno, diferente do que ocorre com o uso de células solares”, explicou.

Também já foi construída uma rede de comunicação entre uma árvore e um laboratório, pela qual é possível observar, em tempo real, as temperaturas medição. Com o avanço das pesquisas, espera-se, agora, a implantação de um número de árvores inteligentes para formar uma rede, na qual cada uma delas possa capturar e transmitir, sem fio, os dados medidos através de outras árvores.

Como surgiu a ‘árvore inteligente’

O projeto da “Smart Tree” surgiu a partir da criação, pelo pesquisador, do conceito de “internet das coisas naturais”, em que “coisas naturais” poderiam se conectar à internet.

Segundo Protásio, a internet das coisa apresenta, como premissa básica, o fato de que qualquer objeto ou coisa do nosso dia-a-dia como uma lâmpada, refrigerador ou carro poderia gerar e enviar dados através da internet, sem nenhuma intervenção humana.

“Por exemplo, no ambiente doméstico, um refrigerador poderia obter automaticamente a quantidade ou a validade dos produtos e solicitar automaticamente a um supermercado o envio de novos produtos ou, em um ambiente industrial, um duto poderia avisar que sua pressão interna está fora do padrão normal”, explicou.

Com informações do G1 

Compartilhe este artigo
Imagem do anúncio
loader-image
Paraíba, BR
14:05, 28/05/2024
temperature icon 29°C
nublado
Humidity 53 %
Pressure 1013 mb
Wind 23 Km/h
Wind Gust Wind Gust: 23 Km/h
Clouds Clouds: 89%
Visibility Visibility: 0 km
Sunrise Sunrise: 05:31
Sunset Sunset: 17:15
- Anúncio -